meditação mindfulness

Meditação Mindfulness – a arte de viver

Meditação mindfulness

O que é de isso de meditação, Dra.?

“O que é de isso de meditação, Dra.? A minha mulher começou, lá na Junta, a fazer meditação e diz-me que eu também precisava… Acredite, até fiquei “lixado” … não tenho tempo para essas coisas…”

“Sou um homem de trabalho. Levanto-me ás 6.00 da manhã e começo logo a tratar dos animais. Tenho 10 porcas prenhas, um raio dum veterinário a dar-me cabo da cabeça, duas garotas que só querem roupa da Zara e uma carga de trabalhos com os gatunos das finanças.”

“Não me apetece ir para aquele bando de mulheres que se sentam no chão e cantam coisas estranhas….”

“E o que pensa disso?” Pergunto eu, na tentativa de colher mais informação

“Há lá um rapaz da aldeia que estudou fora e veio com umas coisas de meditação e yoga e mais não sei quê. Agora é um corrupio para a Junta à quarta feira à noite…”

“Hum… e a sua mulher, como é que se ela lhe parece?” “Agora que fala nisso, está mais calma.”, disse ele.

“Mais calma?” Pergunto eu. “Sim. Antes não se podia aturar, era eu, eram as filhas, até o cão ía a trote… agora está muito mais serena, mais mansa…”

“Para além da meditação, aconteceu mais alguma mudança na vossa vida, Luís?”  “Não, Dra., não aconteceu mais nada…”

“Luís, se calhar as quartas à noite estão mesmo a fazer bem à sua esposa.”

“E se eu lhe dissesse que pode também fazer meditação sem se sentar no chão e cantar coisas “estranhas”?

Repare, meditar começa por sermos capazes de libertar a mente de pensamentos. Então, quando vai cuidar dos porcos, dos bezerros e da criação pode fazer isso. Basta-lhe focar-se no que está a fazer. Contemplar, sem julgar, os animais, as plantas, o vento… Ouvir os sons sem estar a pensar donde vêm, para onde vão, se gosta ou não gosta… quem ou o quê está a produzir os sons…. Então e se for algum gatuno? Bom, nesse caso, como a sua mente está muito em paz, consegue, de imediato, alertá-lo para uma situação de perigo e age imediatamente. Parece um contra-senso, não é? Mas é verdade.

Quando vai levar as ovelhas para o monte, desfrute desse caminho, do silêncio… não queira estar noutro sítio, apenas onde está nesse momento…

Sinta na face, a brisa da manhã, o calor da tarde, os pingos de chuva dos dias chuvosos… limite-se a estar e desfrutar do que faz a cada momento. E se a sua mente começar a divagar, traga-a de novo para o agora e pode começar a focar-se na sua respiração… na sua inspiração e na sua expiração… sentindo cada ciclo respiratório como se fosse o único que pode viver…

E quando almoçar, sinta cada mastigação como se fosse única, sinta os sabores dos alimentos a invadirem a sua boca, a temperatura da água a despertá-lo para saborear as dádivas do dia a dia…

Quando escova os dentes, sinta o cheiro da pasta de dentes, o sabor, as cerdas da escova nas gengivas, a frescura quando exala…

E quando for às compras com as sua filhas, delicie-se com a felicidade delas quando descobrem uma peça que tanto queriam…  e a doçura da sua esposa… viva-a intensamente como se fosse um momento único que vai querer guardar no seu coração…”

“Meu Deus Dra. … só de a ouvir já estou mais em paz…. Então isto é meditar?”

“Sim, Luís. Na próxima vez que falarmos vamos voltar ao assunto e acrescentar umas quantas coisas. E já vai trazer mudanças, vai ver!”

Fernanda Afonso

 

Da Série “conversas improváveis com grande probabilidade de terem acontecido”