coisas más acontecem…

Coisas más acontecem…

“Sabe que eu acredito que as coisas más acontecem para nós aprendermos.”

Este foi só o início duma conversa. Podia ser uma conversa consigo ou com outra pessoa qualquer, com certeza conhece esta crença. Se não for a sua, sabe que muitas pessoas acreditam nela.

Esta não é uma crença minha. Eu acho que coisas más acontecem. Acho que coisas boas acontecem. Acho que coisas más acontecem e depois passam a ser vistas como coisas boas. E acho que coisas boas acontecem e depois passam a ser vistas como coisas más.

Lembro-me, há muitos anos atrás, no atentado às torres gémeas nos Estados Unidos, que alguém não se levantou a tempo de apanhar o avião. Viveu aquela situação como uma coisas muitíssimo má. Quando ligou a televisão e viu que o avião, que seria o seu, se despenhou, passou a ver-se como o homem mais sortudo do mundo.

Talvez, se fosse o leitor, tivesse também interpretado aquela situação como uma bênção e antes como uma verdadeira catástrofe.

Então percebemos que coisas más podem não ser coisas más e coisas boas podem não ser coisas boas… são apenas coisas, acontecimentos, neste caso.

Tal como as flores, são apenas flores. Quando dizemos que são flores bonitas estamos só a fazer um julgamento e as flores existem alheias aos nossos julgamentos.

Voltando ao objetivo das coisas más que acontecem…. Talvez possamos ver os acontecimentos unicamente como acontecimentos. Coisas que acontecem. E talvez possamos ficar despertos para percebermos o que podemos aprender. Talvez possamos abrir a mente e perceber o que estaremos dispostos a aprender com o que acontece. Talvez possamos repousar a nossa consciência no que aconteceu e ficarmos disponíveis para aprender com o que aconteceu.

Talvez possamos pegar em tudo o que acontece e perguntarmos a nós mesmos o que estamos dispostos a aprender com o que acontece… talvez possamos perceber que coisas acontecem, boas e más, e acontecem não para nos ensinarem mas, acontecem independentemente das nossas vontades e dos nossos objectivos pessoais. E talvez possamos usar cada uma delas para nos fortalecermos, para adquirirmos ferramentas, para nos recriarmos.

Eu tenho por princípio pegar no que acontece e abrir a minha mente a novas aprendizagens. Faço a mim própria a pergunta: O que estou disposta a aprender com isto que aconteceu?

E você?

Até já <3